Primeiro as primeiras coisas

Por que ter um filho?

Deveria ser uma escolha, certo? Vamos ser sinceros e dizer que nem sempre é. No meu caso foi. Mas admito que não foi uma escolha como entrar em uma loja atrás de um par de sapatos. Pense assim: eu preciso ter um par de sapatos e realmente gosto de sapatos, mas também não vou procurar muito por conta do preço, não sei modelo, cor, e não preciso de sapatos tanto assim, e bem…sapatos? Melhor um cinto, que tal? Ou uma caixa de fósforos. Fósforos! Todo mundo tem que ter. Ou talvez um carro novo? É! Isso, vou atras de um carro novo e bem, quando menos espera os sapatos aparecem (não em um milagre) mas aparecem e você tem que calça-los. E eles apertam um pouco, deixam o pé quente, será que realmente precisava deles?  Mas rapaz, que bonitos são!

Para ser honesto, os sapatos ainda nem chegaram mas, oh rapaz, que bonitos, estilosos, confortáveis, necessários, queridos são! Aqueles que na sua maior masculinidade jamais encontrou mas sempre desejou, estão encomendados e chegam logo mais! Deixam mais feliz que qualquer carro, game novo, gravata, cinto, fósforos jamais existiram. Você realmente precisava de sapatos novos. Você precisava andar de um jeito diferente!

Não se tem filhos como se compra sapatos. Por vezes já me imaginei respondendo a pergunta: Porque ter um filho num mundo como esse?  E a resposta vem pronta: – Para desafiar frases como essa. E depois porque tem um lado meu que deseja ser amado, sem restrição. É o que dizem sobre filhos, certo? Ser querido, como herói, apesar de todos os seus defeitos de caráter. Um afago, um olhar, uma pergunta ( que só você seria capaz de responder), uma necessidade, um apaziguar de medo. Você… Eu. Ufa! Que Ego! Que coisa ajudar a trazer uma criatura ao mundo para lhe adorar! Menos, meu bom rapaz, bem menos… Sete bilhões de outras criaturas como você, depois de umas centena de milhares de anos de evolução lhe deixaram meio para baixo fazendo entender que somos bem pequenos, e precisamos de um certo reforço para continuarmos grandes? Isso não deve ser motivo para ajudar a trazer um filho ao mundo. Vais continuar a ser pequeno, uma partícula muito pequena. Mas vais ser um pai! E isso diz alguma coisa! Ou deve dizer, sei lá.

Ter um filho porque você estes ao lado de um outro ser humano que por um instante que seja, pensou que você vale a pena, apesar de outros bilhões, e bilhões… e bilhões. Você tem um filho por quem te acompanha, por esse Amor e confiança que antes nunca você se permitiu enxergar. Por todos que te acompanharam até hoje. Por quem é teu pai, mãe, avô, avó, quem já se perguntou a mesma pergunta que deu origem a tudo. Por quem abriga num ventre poético e ao mesmo tempo concreto e biológico, e quem também se fez a mesma pergunta. Esse Amor estranhamente irrestrito que sempre buscava. E sem apertar, como acontece como sapatos novos.

Porque vale a pena continuar… continuar!

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s